Todas Edições

O PORTAL DA MICRO, PEQUENA E MÉDIA EMPRESA.

REALIZAÇÃO: Bit Partner | DIREÇÃO: Sidney Cohen

A nova fase da Transformação Digital, o que vem por aí?

Tecnologia disruptiva, Inteligência artificial, computação em nuvem, são alguns termos que estamos acostumados a ouvir quando o assunto é transformação digital. Imagine com os benefícios que o 5G e a Internet das Coisas (IoT) proporcionarão?

Se você acha que a agilidade é a palavra que mais se aproxima da tecnologia atual, acredite, será ainda mais rápida e eficiente. Teremos uma tecnologia complementando a outra. Estará tudo interligado e fará parte da nossa rotina diária. É o que sinaliza o Especialista em transformação digital, Fernando Perasso, em entrevista concedida este mês ao PME NEWS. Confira!

Bastidores

  • A Agência Internacional de Energia (IEA) prevê o aumento de 30% do número de Veículos Elétricos ao ano, ao longo desta década. No mundo circulam hoje 11 milhões de veículos elétricos e deverá alcançar a marca de 145 milhões de unidades até 2030. O mercado do petróleo sentirá o impacto, podendo ter a queda na produção de 2 milhões de barris por dia.
    No ano passado, a indústria automotiva global encolheu 16%, enquanto os veículos elétricos registraram recorde em vendas, com 3 milhões de unidades, dentre os 370 modelos, movimentando US$ 120 milhões, um crescimento de 50% em relação a 2019.
  • Um levantamento realizado pela ABStartups, em parceria com o Centro de Inovação para a Educação Brasileira (CIEB), aponta que em 2020, 64% das edtechs (startups de educação) aumentaram ou mantiveram seu faturamento, em comparação ao ano anterior e 88,8% delas não fizeram demissões no período. Esse segmento destaca-se com 17,3% dos negócios das startups brasileiras. A região Sudeste concentra 58,7% das 566 edtechs mapeadas e 37,8% delas estão no estado de São Paulo.

Novos Desafios

  • Benjamin Ferreira Neto assume a presidência do Conselho de Administração da Associação Nacional dos Fabricantes de Cerâmica para Revestimentos, Louças Sanitárias e Congêneres – ANFACER.
  • Ramon Ferreira é o novo diretor de vendas para a vertical de Big Retail da Linx.
  • Phillip Klien é novo CEO da ClickBus.

Dados Impressionantes

  • Dados do relatório do Sebrae com base no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério da Economia apontam que os pequenos negócios foram responsáveis por 70,1% e os médios e grandes por 22,7% dos cerca de 837 mil empregos gerados no primeiro trimestre deste ano. Em comparação ao mesmo período do ano passado, o desempenho das micro e pequenas empresas (MPEs) geraram cinco vezes mais empregos e as médias e grandes empresas (MGEs) demitiram mais do que contrataram. Em praticamente todos os setores tiveram bons resultados em todos os portes de empresas neste período do ano. O setor de serviços teve o maior número de vagas criadas em março: 38.884 pelas MPEs e 55.873 pelas MGEs. Já o setor da agropecuária apresentou saldo negativo entre as médias e grandes.
  • Segundo o levantamento da Confederação Nacional da Indústria (CNI), o volume de horas trabalhadas na produção industrial subiu 6,5% no primeiro trimestre deste ano, comparado ao mesmo período do ano passado. O faturamento e o emprego na indústria de transformação também avançaram neste período, respectivamente 7,5% e 1,1%. Somente em março o faturamento subiu 2,2% e o emprego 0,3% – oitavo mês de avanço seguido. A “utilização da capacidade instalada”, que sinaliza o nível de uso do parque industrial, mantém-se elevado em 81,1%, com alta de 0,4% em relação a fevereiro e 4,8% maior que março de 2020.
  • Um levantamento realizado pelo Elo7, marketplace de produtos criativos, com cerca de 9 milhões de produtos anunciados, compara o desempenho das categorias na plataforma. No período de março de 2020 a março deste ano, as vendas gerais ficaram 18% acima do cenário pré-Covid. A categoria acessórios foi a que registrou maior crescimento, 303%, impulsionado pela alta procura por máscaras de tecido. Sendo vendidas 180 mil máscaras na plataforma. Outras categorias que se destacaram neste período foram: Cosméticos, crescimento de 106%, produtos para decoração, 70% e produtos para pets, 52%. A busca pela linha infantil despertou grande interesse também, com destaque aos brinquedos educativos, que registrou um aumento de 312%. Mas o que chamou mais a atenção foi a procura por pijamas no site, que subiu 312%. E comprova a nova moda com o home-office, o uso do pijama como roupa de trabalho.

Agenda

Apuração em Março, Abril e Maio – Simples Nacional: prorrogado prazo para pagamento dos Tributos Federais, Estaduais e Municipais.

  • O período de apuração março de 2021, com vencimento original em 20 de abril de 2021, poderá ser pago em duas quotas iguais, com vencimento em 20 de julho de 2021 e 20 de agosto de 2021.
  • O período de apuração abril de 2021, com vencimento original em 20 de maio de 2021, poderá ser pago em duas quotas iguais, com vencimento em 20 de setembro de 2021 e 20 de outubro de 2021.
  • O período de apuração maio de 2021, com vencimento original em 21 de junho de 2021, poderá ser pago em duas quotas iguais, com vencimento em 22 de novembro de 2021 e 20 de dezembro de 2021.

Informações: https://www.gov.br/receitafederal/pt-br/assuntos/noticias/2021/marco/prorrogado-prazo-para-pagamento-dos-tributos-federais-estaduais-e-municipais-no-ambito-do-simples-nacional

Entrevista

Esta coluna é destinada a entrevistas com especialistas, gestores, executivos e empresários de destaque.

Segue a entrevista de Fernando Perasso.

PME NEWS – Estamos diante da nova fase da Transformação Digital. O que vem por aí?

Fernando Perasso – Eu vejo que estamos em uma constante transformação, habilidades e conceitos atuais serão considerados desatualizados em questão de meses, parece até clichê, mas nunca vimos tantas mudanças afetarem as empresas e pessoas tão rápido.

O que vem por aí tende a moldar as empresas, produtos e serviços cada vez mais baseados nos hábitos de vida das pessoas e suas rotinas, com visão do consumidor sempre no centro das decisões, onde as escolhas e opiniões interferem na forma de desenvolver novas propostas e ideias.

PME NEWS – Qual será o impacto desta nova transformação em nosso dia a dia?

Fernando Perasso – Com uma maior oferta de tecnologias em produtos e serviços, temos a oportunidade de facilitar nossas rotinas com comodidades, promover soluções com custo acessível, aumentar a área de cobertura de comunicação de alta velocidade, impactando na alteração de comportamento das pessoas.

De modo prático a transformação digital contribuirá para embarcar soluções em equipamentos simples, mas que ajudarão muito a vidas das pessoas no dia a dia. Startups em parcerias com grandes empresas estão desenvolvendo mochilas que auxiliam deficientes visuais mapeando seu trajeto e informando se há algum obstáculo ou algum risco; sapatos com sensores que auxiliam idosos a não tropeçar; medidores de glicemia em formato de adesivo e conectado a um celular controlando o açúcar no sangue do paciente sem a necessidade de uso de agulhas.

Essas mudanças de hábitos contribuem para aumentar a longevidade das pessoas e com qualidade de vida.

PME NEWS – Quais são os benefícios que ela proporcionará?

Fernando Perasso – Os principais benefícios desta transformação estão na produtividade e escalabilidade dos serviços, computação em nuvem, IoT (Internet das Coisas) e 5G. Uma tecnologia complementando a outra, serviços em nuvem reduzem tempo de preparação de ambientes pelos profissionais de qualquer área, proporcionando mais tempo e espaço físico para o aproveitamento do que realmente pode agregar valor na cadeia de produção.

Com o IoT podemos automatizar processos que vão de acionar o ar-condicionado remotamente, para quando chegar a casa ter um ambiente agradável; refrigerador que reconhece que a cerveja está acabando e oferece a busca de promoções de acordo com o gosto do consumidor através de aplicativos; vasos inteligentes que adicionam água nas plantas enquanto estamos fora até o controle de subestação de energia de forma remota.

A tecnologia 5G proporcionará maior velocidade de comunicação entre equipamentos móveis que exigem respostas rápidas de suas centrais como carros autônomos; sensores de precisão para Agro, mapeamento de áreas com drones com tomada de decisão de dispersão de insumos ou defensivos. E maquinários na indústria, onde as tomadas de decisões devem ser mais ágeis e precisas.

PME NEWS – Quais serão os grandes desafios?

Fernando Perasso – Uma análise do Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (Cetic.br) mostra que cerca de 50% dos principais motivos para não adotar o acesso residencial à internet no Brasil está dividida em alto custo e interesse. Além disso, o custo elevado de equipamentos com tecnologia IoT impacta diretamente a expansão do uso de tecnologias para automação residencial, além de poucos serviços serem integrados com estes equipamentos, que gera a automação sem um propósito, exemplos: cafeteiras IoT sem uma integração com despertador; um serviço que reconheça sua posição via GPS e acione remotamente lâmpadas e ar-condicionado da residência. A própria ALEXA da AMAZON possui configurações extras quando você altera seu perfil para um endereço nos EUA e isso demonstra que ainda temos muitas oportunidades no Brasil.

PME NEWS – Como se adaptar a essas mudanças?

Fernando Perasso – A busca por informações de qualidade sobre o assunto é imprescindível. Mudança de cultura incluindo mais tecnologia nas rotinas, nas empresas as mudanças não podem ser apenas operacionais, toda a organização deve senti-la, transformando sua forma de pensar e agir. Sem alterar a cultura organizacional, isso não seria possível. Devemos acompanhar as mudanças na vida social, escolar e no trabalho, não temos mais como separar, pois tudo estará integrado.

PME NEWS – E quais os reflexos para ao mercado?

Fernando Perasso – A indústria passa pela chamada “Quarta revolução industrial”, com a adoção de sistemas com alto nível de integração e tecnologias habilitadoras, segundo levantamento da ABDI (Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial), a estimativa anual de redução de custos industriais no Brasil, a partir da migração da indústria para o conceito 4.0, será de, no mínimo, R$ 73 bilhões/ano.

Essa economia envolve ganhos de eficiência, redução nos custos de manutenção de máquinas e consumo de energia. Esta agenda conta com universidades, centros de pesquisas e plano Nacional de desenvolvimento.  Os cursos nas universidades já estão sendo moldados para esta nova realidade, laboratórios, conteúdo e vivência, o profissional sairá com o digital mindset e pronto para a nova realidade.

PME NEWS – O Brasil está preparado para esse novo cenário?

Fernando Perasso – Há muitas oportunidades neste mercado, diante deste cenário, o MDIC (Min. Indústria, Comércio e Serviços) instituiu, em junho de 2017, o Grupo de Trabalho para a Indústria 4.0 (GTI 4.0), com o objetivo de elaborar uma proposta de agenda nacional para o tema. Em janeiro de 2019 esse ministério passou a ser uma secretaria dentro do Ministério da Economia, a SECINT – Secretaria Especial de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais. O GTI 4.0 possui mais de 50 instituições representativas (governo, empresas, sociedade civil organizada, etc).

Com todas essas iniciativas haverá muitas oportunidades de trabalho, estudos e desenvolvimento de pesquisas. As pequenas e médias empresas têm a oportunidade de se transformar muito mais rápido que as grandes, pois seus times e processos são reduzidos e podem adaptar-se e moldar-se ao mercado facilmente.

PME NEWS – Como as pequenas empresas poderão beneficiar-se com esta nova transformação?

Fernando Perasso – O BNDES e EMBRAPII disponibilizaram linhas de crédito especiais e fomentos para desenvolvimento destas tecnologias para pequenas e médias empresas, além de apoiar projetos de startups em incubadoras das universidades por todo o país. Até abril deste ano foi investido mais de R$ 1,6 bilhões em projetos de empresas e P&D além de 816 empresas apoiadas.

O desafio do Brasil é recuperar o atraso frente ao mercado internacional, criar um ecossistema que incentive o investimento e capacitar as pessoas tendo a oportunidade de aprender com exemplos (acertos e erros de outros países mais adiantados).

Pense Nisso

“Mudança de cultura incluindo mais tecnologia nas rotinas. Sem alterar a cultura organizacional, isso não seria possível. Devemos acompanhar as mudanças na vida social, escolar e no trabalho, não temos mais como separar, pois tudo estará integrado”.

Fernando Perasso

Receba o PME NEWS

Ao enviar o seu email, você declara estar de acordo com a Política de privacidade e de Cookies publicada no site

PATROCINADOR

Ao clicar em “Aceitar cookies”, você concorda com o armazenamento de cookies no seu dispositivo para melhorar a navegação no site, analisar o uso do site e nos ajudar na melhoria da qualidade dos nossos serviços Leia nossa política de privacidade