ARTIGOS

O PORTAL DA MICRO, PEQUENA E MÉDIA EMPRESA.

Fui rejeitado… Ainda bem!

Sidney Cohen
Palestrante
CEO da Bit Partner Consultoria Empresarial
CEO do PME NEWS

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Calma, você deve estar pensando que estou louco. Não tiro a sua razão, principalmente diante deste cenário de crise. Mas, não julgue o livro pela capa (pelo menos por enquanto).

Você já deve ter ouvido falar de casos de profissionais brilhantes que foram demitidos, ou sequer, foram admitidos no processo de seleção, ou até mesmo rejeitados por outros motivos.  O fato de ter sido rejeitado, não caracteriza fracasso, em alguns casos, por incrível que pareça, estimula para o sucesso.

Veja o exemplo do Brian Acton, cofundador do WhatsApp. Após deixar o Yahoo em 2009 concorreu a uma vaga no Facebook, mas não foi aceito. Ótimo para ele, passados quatro anos, a sua empresa foi vendida por US$ 19 bilhões e adivinhe para quem? Exatamente… FACEBOOK!

Seguindo essa linha, a apresentadora de TV norte-americana, Oprah Winfrey, no começo de sua carreira, na década de 80, era âncora de um jornal em Baltimore e foi demitida por se envolver demais nas histórias que contava em seu programa. Mas, a notícia boa vem agora. Em 1986 seu talk show, o Oprah Winfrey Show, começou a ser exibido em cadeia nacional e ficou no ar por 25 anos.  Ela foi eleita a mulher mais rica do ramo de entretenimento no mundo durante o século XX, segundo a revista Forbes, e uma das maiores filantropas de todos os tempos.

Até o Walt Disney faz parte desse grupo.  Em 1921, ele trabalhava em um jornal como ilustrador de anúncios e acredite, foi demitido por não ser criativo. Ele se reergueu e montou o império DISNEY avaliado hoje em US$ 40,77 bilhões. E figura como a décima marca mais valiosa do mundo, segundo o ranking divulgado em 2020 pela consultoria global de marcas Interbrand.

A pandemia tem sido um divisor de águas para algumas empresas, o que dirá Eric Yuan, fundador da Zoom. Em 2011 quando ocupava o cargo de vice-presidente de engenharia da Cisco, apresentou aos executivos o seu projeto para criar um aplicativo de videoconferência que funcionaria também em telefones celulares, além da plataformas tradicionais. “Por sorte”, teve a sua ideia rejeitada. E então ele se desligou da Cisco para fundar a Zoom. Avaliada hoje em mais de US$ 100 bilhões.

Aqui no Brasil temos vários casos de demissões e ideias rejeitadas que se transformaram em sucesso. O Luis Belentani, por exemplo, é um deles. Ele foi demitido aos 56 anos de idade na época, quando trabalhava como gerente comercial de uma grande empresa do noroeste paulista. Com o dinheiro da rescisão fundou a sua primeira loja de salgadinhos em São José do Rio Preto, a Tia Sô. Começou com coxinhas e hoje possui um cardápio amplo. Ampla também é a sua rede de franquias com presença forte nas regiões sudeste e centro-oeste.

Pense nisso: “Você pode não se dar conta quando isso acontece, mas um ‘chute nos dentes’ pode ser a melhor coisa do mundo para você”. – Walt Disney.

Receba o PME NEWS

Ao enviar o seu email, você declara estar de acordo com a Política de privacidade e de Cookies publicada no site

PATROCINADOR

Ao clicar em “Aceitar cookies”, você concorda com o armazenamento de cookies no seu dispositivo para melhorar a navegação no site, analisar o uso do site e nos ajudar na melhoria da qualidade dos nossos serviços Leia nossa política de privacidade