ARTIGOS

O PORTAL DA MICRO, PEQUENA E MÉDIA EMPRESA.

 Governança de Dados. Por que fazer?

Fabian Matteucci
Consultor Estratégico de Negócios e Mentor
CEO da ASMI

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

“Os dados são o novo petróleo”, a famosa frase dita por Clive Humby, matemático londrino especializado em ciência de dados, ganha cada vez mais peso. Mas, o que isso significa?

Tenho conversado com muitos gestores de empresas de diversos portes e segmentos e o que tenho ouvido é: “as empresas estão com problemas para organizar seus dados ou informações, de uma forma estruturada, limpa, organizada, compreensível e útil”.

Que sinaliza a necessidade de se ter uma boa Governança de Dados.

Quem não sabe aonde quer chegar, qualquer caminho serve!

Em um futuro próximo as empresas que tiverem seus dados bem orquestrados e orientados tomarão as melhores decisões estratégicas, o que significa que terão uma vantagem competitiva.

Muitos pensam que esse processo só faz sentido em grandes empresas, que possuem vultuosos orçamentos para poder levar a cabo tamanha jornada.

Quem pensa assim está enganado! A Governança de Dados é útil e necessária para empresas de todos os tamanhos e segmentos, com a vantagem de poder montar suas estratégias baseadas nos dados que elas possuem.

Fazer uma jornada de governança de dados pode se tornar um processo caro e, muitas vezes, desastroso.

Muitas empresas de tecnologia tentam oferecer verdadeiros “milagres” tecnológicos com a intenção de levar a transformação digital aos seus clientes, mas é preciso pensar em não cair na tentação de colocar a tecnologia na frente dos processos. Vamos devagar!

Para implementar com sucesso uma Governança de Dados na empresa é preciso ter em mente alguns fatores:

  • Entender qual é a informação e como ela está organizada, se é que está!
  • Saber quem cuida da informação?
  • Para que serve?
  • Quais benefícios obtidos?
  • Quais áreas podem ser afetadas?

Para que a Governança de Dados funcione precisaremos instituir primeiro um Escritório de Governança de Dados, que será responsável por toda a jornada de governança e composto por pessoal interno e externo da empresa.

O Escritório funciona em paralelo aos negócios da empresa, dentro de um processo maior de melhoria contínua que deverá ser constante. Esse processo deve ser inclusivo para os participantes, trazendo melhorias de qualidade constantes e que seja agradável de participar.

O objetivo aqui não é de se fazer um projeto grandioso e caro. Ele dever ser bem pensado, conduzido por alguém que entenda do assunto e com experiência em montar equipes coesas e bem integradas.

Para esse trabalho são escolhidas pessoas da empresa para participarem da formação do Escritório de Dados, fazendo parte dos comitês, sem que isso as afaste das atividades normais na empresa.

Os participantes selecionados devem ser capacitados para saber ocupar seu papel no grupo de forma colaborativa e entender que a questão não é apenas de participar de mais um serviço ou projeto da empresa, mas de acrescentar algo em seu currículo, que faça sentido para a empresa, para a comunidade e para si mesmo.

Além disso, participar de um projeto desses pode trazer benefícios pessoais, promovendo uma mudança de paradigma, pois passamos a entender melhor as informações dentro do contexto dos negócios da empresa e a valorizá-las.

Para iniciar a jornada é necessário fazer uma avaliação de quais informações serão tratadas e como elas estão dispostas.

Muito bem, dados avaliados, equipe, escritório e comitês definidos, funções e tarefas distribuídas, o próximo passo é conversar com o pessoal técnico para ajudar a montar a arquitetura necessária para construir esse conjunto todo.

Para poder monitorar e administrar os objetivos de todo o trabalho de forma colaborativa e precisa, não podemos abrir mão do método SMART – específico (S), mensurável (M), alcançável (A), realista (R) e temporal (T), considerado um dos melhores meios de alcançar os objetivos.

A probabilidade de sucesso aumentará significativamente se mantivermos as pessoas engajadas ao processo, mostrando todas as evoluções e os ganhos que forem apresentados.

Uma vez implantada a cultura de dados na empresa, a tendência é de melhoria contínua, desde que tudo fique documentado, criando uma empresa verdadeiramente pensante, com a informação certa, no lugar certo, no momento certo.

Para encerrar deixo uma reflexão: Quanto a sua empresa poderá ser valorizada e os seus negócios crescerem, com informações bem estruturadas e precisas o tempo todo? Acha que isso traria um diferencial diante do mercado? E seus concorrentes?

Pense nisso!!

Receba o PME NEWS

Ao enviar o seu email, você declara estar de acordo com a Política de privacidade e de Cookies publicada no site

PATROCINADOR

Ao clicar em “Aceitar cookies”, você concorda com o armazenamento de cookies no seu dispositivo para melhorar a navegação no site, analisar o uso do site e nos ajudar na melhoria da qualidade dos nossos serviços Leia nossa política de privacidade