Todas Edições

O PORTAL DA MICRO, PEQUENA E MÉDIA EMPRESA.

REALIZAÇÃO: Bit Partner | DIREÇÃO: Sidney Cohen

O papel da Mentoria no Novo Normal

Muitos foram os impactos causados pela pandemia. Com a crise estivemos diante de incertezas para muitos e de certezas para outros. Para todos, mudança e agilidade têm sido as palavras mais usadas.

Mas, uma coisa é certa, o apoio de profissionais e empresas especializadas para enfrentar este cenário é primordial. E um dos profissionais que mais tem se destacado neste apoio é o mentor.

Entrevistamos esse mês o Roberto Tahan, Mentor e CEO da Tahan Consultoria, que nos conta a importância da Mentoria no Novo Normal, com exemplos práticos. Confira!”

Bastidores

  • De acordo com as projeções do Gartner, os gastos globais com TI deverão chegar a US$ 3,9 trilhões em 2021, um aumento de 6,2% em relação ao acumulado em 2020. Com a expansão do ambiente de trabalho remoto, o estudo estima que o mercado de Software Corporativo tenha o melhor desempenho, com um crescimento de 8,8%, seguido do segmento de Dispositivos com 8%, que se beneficiará com a educação remota ao longo deste ano, promovendo um aumento da demanda por tablets e laptops para os alunos. Os gastos globais com TI relacionados ao Home Office, de acordo com o estudo, devem chegar à casa dos US$ 332,9 bilhões.
  • Segundo o balanço apresentado em dezembro do ano passado, a Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit) aponta um crescimento para este ano nas manufaturas têxteis e de vestuário, com a produção de 2,09 milhões de toneladas e 5,81 bilhões de peças, respectivamente. Quanto às vendas, o varejo prevê o faturamento de R$ 228,9 bilhões. Apesar das dificuldades promovidas pela crise, alguns setores apresentaram ótimos desempenhos em 2020, como o da produção de máscaras cirúrgicas, que saltou de 6,5 milhões para 140 milhões em quatro meses, período em que 140 empresas associadas à Abit converteram suas linhas de produção para atender a alta demanda.
  • O estudo global Family Business Survey 2021, da PwC, realizada com 2.801 participantes de 87 países (282 do Brasil), aponta que 78% das empresas familiares brasileiras esperam ver crescimento já neste ano, superior à expectativa de outros países que é de 65%. A motivação se deve as principais prioridades destas empresas para os próximos dois anos, que são: a expansão para novos mercados e segmentos de clientes, o aumento do uso de novas tecnologias e a digitalização, o aprimoramento das capacidades digitais e a introdução de novos produtos e serviços. Segundo o levantamento, as empresas familiares responderam rapidamente aos desafios postos pelo Covid-19. A inspiração nos seus valores e propósito foram fatores importantes para agirem de forma rápida à crise

Novos Desafios

  • Norberto Tomasini assume a diretoria de varejo da Everis Brasil.
  • Lia Carlos é a nova diretora de planejamento do Méliuz.

Dados Impressionantes

  • Segundo os dados do Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram), o faturamento do setor de mineração no Brasil somou R$ 209 bilhões em 2020, alta de 36% em relação a 2019. O levantamento aponta que a alta do dólar e o aumento do preço das commodities influenciaram os resultados, mas em uma proporção, que não descaracteriza o desempenho do setor, que teve um crescimento de 2,5% da produção mineral. A geração de emprego também comprova o bom desempenho, de janeiro a setembro foram contratados cerca de 5 mil trabalhadores.
  • O levantamento realizado pela Abesc (Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços) divulgado em fevereiro aponta que os pagamentos realizados com cartões de crédito, débito e pré-pagos chegaram a R$ 2 trilhões em 2020, que representa um crescimento de 8,2% comparados a 2019. A maior transação foi registrada pelos cartões de crédito, movimentando R$ 1,18 trilhão, com alta de 2,6%, seguido pelos cartões de débito, com R$ 762,4 bilhões, alta de 14,8% e do pré-pago, com R$45,3 bilhões, em termos percentuais, esse foi o que mais cresceu 107,4%.
    No total foram feitos 23,3 bilhões de pagamentos com cartões, 3,6% a mais do que 2019. Já no exterior apresentou o pior desempenho em 16 anos, US$3,46 bilhões, uma queda de 60%. E as compras realizadas pelos estrangeiros no Brasil também registraram queda de 48,3%, US$ 2,16 bilhões.
    Os efeitos da pandemia contribuíram para o aumento das compras online (cartões na internet, aplicativos e demais compras não presencias), movimentando R$ 435,6 bilhões.
    Os pagamentos por aproximação movimentaram R$ 41 bilhões, representando um aumento de 469,6% comparados a 2019. O cartão de débito foi o mais utilizado com R$ 19,5 bilhões, seguido pelo cartão de crédito, com R$ 18,8 bilhões e pelo pré-pago, com R$ 2,7 bilhões.

Agenda

1 a 3 de Março – São Paulo – SP
COUROMODA
Expo Center Norte

 

Entrevista

Esta coluna é destinada a entrevistas com especialistas, gestores, executivos e empresários de destaque.

Segue a entrevista de Roberto Tahan.

PME NEWS – O que é mentoria?

Roberto Tahan – Mentoria é uma ferramenta de desenvolvimento profissional com o propósito de agregar conhecimento e orientação. Em poucas palavras, é o ato de ajudar o outro a aprender. É uma parceria num processo em que o mentor investe tempo, compartilha conhecimento e emprega seu esforço com a finalidade de apoiar o planejamento e/ou desenvolvimento do Mentorado, fornecendo a ele exemplos práticos e desafios para enriquecer seu modo de pensar.

Também é importante definir o que não é mentoria, ou seja, não é acompanhamento de performance, não é uma relação de subordinação, não é apoio nas atividades do dia a dia, não é patrocínio de carreira, não é aconselhamento pontual, não é terapia, não é consultoria e não é coaching.

PME NEWS – Quais os benefícios que a mentoria proporciona?

Roberto Tahan – Para o mentor, os benefícios são:  melhorar as habilidades de coaching e feedback; aprender sob diferentes perspectivas; reconhecimento; construção do legado; oportunidade de se manter atualizado e desafiado.

Para o mentorado, os benefícios são: orientação sobre o desenvolvimento do negócio e decisões; compartilhamento de ideias, preocupações, ansiedades em um ambiente seguro; obter feedback honesto e construtivo; expandir seu contexto, exposição e oportunidades.

PME NEWS – Qual o perfil do mentor?

Roberto Tahan – O primeiro e mais importante perfil do mentor é que ele saiba se colocar nos sapatos no mentorado, ou seja, consiga enxergar o problema sob a visão do outro. Não menos importante, o mentor precisa ter vontade de ajudar, além de ter vivência e experiência, ou seja, ter vivido situações reais, boas ou más.

O mentor precisa ter tempo e energia, respeitar a confidencialidade e se envolver genuinamente com o processo e o problema do mentorado. Mostrar respeito pela história do mentorado.

Saber escutar, ou seja, entender o que o mentorado está dizendo e o que não está dizendo e ser isento de julgamento.

Também deve saber fazer perguntas diretas, simples e abertas. Provocar o mentorado a fazer questionamentos, provocando diferentes perspectivas e diferentes pontos de vista.

O mentor deve manter o ambiente aberto a novas aprendizagens para si próprio e ao mentorado.

O mentor deve saber superar obstáculos, como, por exemplo, mentorados que faltam às sessões ou não fazem tarefas. Em casos mais graves, onde em que o relacionamento se tornou tóxico, saber interromper adequadamente o projeto, sem nenhum tipo de ressentimento entre as partes.

PME NEWS – Quais são os tipos de mentoria?

Roberto Tahan – Não existe uma definição formal para tipos de mentoria. A gente encontra diversas maneiras para diferenciar os tipos. Dessa maneira, apresento uma definição livre:

Presencial ou à Distância: Nesse momento de pandemia, a mentoria à distância é recomendada, porém, para quem precisa por qualquer motivo da presença física, obviamente necessita de todos os cuidados recomendados por órgãos oficiais. A presencial tem a vantagem de melhor comunicação não verbal. A comunicação à distância também pode ser feita off-line, por exemplo; ou seja, quando as trocas de mensagens não são feitas ao mesmo tempo.

Pessoal ou Profissional: O foco pessoal está voltado para as necessidades individuais como qual carreira escolher, relacionamentos familiares, emagrecimento ou qualquer situação pessoal. Nesse caso, o mentor é visto como um confidente ou conselheiro. O foco profissional está relacionado ao desenvolvimento da carreira de um indivíduo, como uma nova função.

Individual ou Grupo: Na modalidade individual, o mentorado pode ter um ou mais mentores, mas é atendido somente por um mentor em cada sessão. Nesta modalidade temos dois ou mais mentorados sendo atendidos ao mesmo tempo, por um ou mais mentores. A mentoria em grupo pode ser para fortalecimento da equipe, resolução de conflitos entre os participantes, buscar soluções para problemas complexos e comuns ao grupo, integração dos participantes e fortalecimento do espírito de equipe, elaboração de estratégias e planos de ação da equipe, da área ou da empresa, são exemplos de objetivos comuns aos membros da mentoria em grupo.

PME NEWS – Cite alguns exemplos de mentoria.

Roberto Tahan – O primeiro exemplo e o mais emblemático foi uma mentoria sobre um engenheiro pessoalmente insatisfeito com sua carreira. Ele gostava do que fazia, mas seu sonho era ser tatuador. A mentoria durou praticamente um ano inteiro. A meta estabelecida era apoiar o mentorado sobre qual caminho deveria tomar: a segurança do trabalho ou o risco de um sonho. Abordamos temas como suporte da família, formação necessária para tornar-se tatuador, riscos financeiros, dúvidas pessoais, futuro de cada profissão, processos de transição e controle financeiro. No final, o mentorado resolveu arriscar na nova profissão. Nunca se sabe como seria seu futuro como engenheiro, porém, o mais importante é que ele está feliz com sua escolha.

Outro caso foi de uma pessoa que estava enfrentando problemas com um subordinado, que não o aceitava como gestor e causava conflitos e intrigas constantes no departamento. Nenhuma ação até aquele momento tinha resolvido esse conflito. Ao mesmo tempo, devido à pandemia e políticas internas da empresa, esse funcionário não podia ser demitido. O objetivo da mentoria foi achar qual tipo de influência e ações que o gestor poderia implementar para reverter favoravelmente essa situação perante a si próprio e perante toda equipe.

Um terceiro caso foi da mentoria aplicada para a empresa DOM Doces de Leite. Nela abordei temas sobre a visão e objetivos nos processos de fabricação e de como enfrentar problemas na atividade de operação, além da construção de uma mentalidade de melhoria contínua, a fim de manter o sistema de manufatura sólida a longo prazo.

PME NEWS – Qual a diferença entre coaching, consultoria e a mentoria?

Roberto Tahan – É muito comum as pessoas ou mesmo organizações não saberem exatamente a diferença entre as três atividades, ainda que tenham pontos em comum, cada uma delas tem uma definição clara.

Coaching: O melhor exemplo é o esporte. Imagine um atleta de natação que pretende melhorar sua performance em competições. O coach define as atividades físicas, treinamentos, alimentação e exercícios para que o coachee atinja os resultados pretendidos. O coach deve estimular o desenvolvimento pessoal para que o coachee se conheça melhor e encontre o caminho para alcançar seus objetivos.

Consultoria:  Imaginem uma empresa enfrentando problemas de qualidade do seu produto, afetando resultado financeiro e desgaste de imagem. Após ações internas, sem resultados práticos, a empresa decide contratar um consultor, que é um profissional especialista e qualificado naquela área. O consultor vai preparar um diagnóstico da situação atual, via análise do processo produtivo do cliente e apresentar propostas para solução do problema e, eventualmente, implementá-las.

Mentoria: Imagine um jovem, recém-promovido para gerente de fábrica, que está inseguro sob qual a melhor maneira de agir nesse novo desafio. A fim de buscar apoio sobre como se portar, o gerente contrata um profissional com muitos anos de experiência em gerenciar fábricas, com muitos casos de sucesso e casos que falharam, que já enfrentou crises e traz ampla bagagem para compartilhar com o novo gerente.

PME NEWS – Qual a importância da Mentoria diante do cenário do Novo Normal?

Roberto Tahan – Estamos passando pela maior transformação cultural nas empresas, onde todos estão se adaptando em um cenário online constante e obrigatório, que antes acontecia mais por acomodação de agenda do que por imposição de um fator externo, como a pandemia. Não foi diferente entre mentores e mentorados.

Os encontros presenciais foram facilmente adaptados para conversas online, considerando a fartura de opções de qualidade. Porém, os temas mudaram significativamente. Conselhos como relacionamento com subordinados e chefia, além de segurança pessoal em relação ao emprego, adaptação da família presente no dia a dia, entraram nas conversas entre mentores e mentorados.

O desafio do mentor foi preparar-se para um novo ciclo de aconselhamento, para acomodar seus conhecimentos dentro dessa situação. Experiência de vida é o fator preponderante nesse processo.

PME NEWS  – Qual o fluxo ideal para um projeto de mentoria?

Roberto Tahan – Apesar de não ser mandatório, recomenda-se que o projeto de mentoria tenha um início, meio e fim. As etapas são:

O início consiste nas duas primeiras reuniões, em que mentor e mentorado estabelecem o total de reuniões, frequência, agenda, plataforma de comunicação e troca de história entre ambos. Também concordam quais são os indicadores de sucesso, definido por metas SMART.

As reuniões seguintes devem ser exploradas para o desenvolvimento do mentorado. As reuniões sempre devem começar com um follow-up da reunião anterior e finalizar com um rápido entendimento da conversa do dia. Convém regularmente lembrar-se do objetivo da mentoria.

No final, ambos devem rever o projeto para assegurar que o objetivo da mentoria foi alcançado, baseado nas expectativas versus resultados alcançados. Ambos devem estar satisfeitos. Se necessário, podem recomeçar uma nova rodada ou um novo projeto de mentoria.

Como todo projeto, existem riscos e não é diferente em um projeto de mentoria. O maior de todos os riscos é a total falta de interação entre mentor e mentorado, resultando em quebra de comunicação. Outros riscos são: mentorado criar dependência do mentor, arrogância do mentor, processo virar terapia ou mentor e mentorado perderem o foco do projeto.

 

Pense Nisso

“Na mentoria há uma parceria. É o ato de um ajudar o outro a aprender”.

Roberto Tahan

Receba o PME NEWS

Ao enviar o seu email, você declara estar de acordo com a Política de privacidade e de Cookies publicada no site

PATROCINADOR

Ao clicar em “Aceitar cookies”, você concorda com o armazenamento de cookies no seu dispositivo para melhorar a navegação no site, analisar o uso do site e nos ajudar na melhoria da qualidade dos nossos serviços Leia nossa política de privacidade